ART NOUVEAU

Olá pessoal! Hoje vim postar para vocês um trabalho da faculdade que fiz com mais dois colegas sobre Art Nouveau, para a disciplina de Filosofia Estética e História das Artes. O trabalho consiste em falar sobre o conceito da Art Nouveau, dois artistas importantes da época e uma obra para ser analisada.  Ficou bem legal, espero que vocês gostem das informações e aprendam um pouco mais com o conteúdo.

ART NOUVEAU – CONCEITO

O Art Nouveau é um estilo que durou pouco, mas foi muito significativo. Ele começou na virada do século XIX para o século XX. Era uma época de novos olhares sobre o mundo, o ser humano e a relação dele com o meio ambiente. O espírito era de mudança e o Art  Nouveau captou todas as novidades que estavam surgindo fazendo uma releitura e integração entre elas, o que ajuda a entender a sua ambiguidade e variações de estilo regionais.
Esse espírito que cercava o continente europeu encorajou a esperança da criação de uma arte nova (daí o nome em francês “art nouveau”). Arte essa que estabeleceria a transição do Historicismo para o Movimento Moderno. Estabelecendo uma resposta à idade, à rapidez da mudança, às novas visões do mundo e aos avanços científicos.
Enquanto o Historicismo tentava defender seu território contra o fenômeno da tecnologia através da apresentação do passado, o Art Nouveau arriscou invadir o território inimigo para conseguir reaver terras perdidas. Conseguindo assim que as tradicionais visões sobre a arte fossem reconciliadas com a moderna face tecnológica.
O seu início foi muito difuso, mas pode-se dizer que foi visto pela primeira vez na Inglaterra, no ambiente do Artes e Ofícios – estilo com premissas muito parecidas – em 1870 e 1880. Com o avanço da Revolução Industrial houve uma proliferação desenfreada de grotescos enfeites, reduzidos ironicamente no preço por causa dos seus novos objetivos. Logo, o Art Nouveau começou a aproximar a criação de itens luxuosos com materiais exóticos e raros, tornando-se uma arte única.
Como o estilo se espalhou por toda a Europa, deve-se tomar cuidado ao fazer generalizações e também com a supressão da identidade de cada artista. Pois cada um era influenciado pela sua cultura e lugar onde trabalhava, mostrando sua nacionalidade e patriotismo subconscientemente. Apesar disso, podem-se citar algumas características unificadas, como a simplificação de formas para uma arte mais orgânica e a adesão do constante movimento dentro das obras.
Mesmo assim, na estética do Art Nouveau, é fato dizer que linhas ondulares, assimétricas e entrelaçadas são características muito presentes em sua ornamentação. Dificilmente veremos outro estilo com características tão musicais e de tão extrema preocupação com o aspecto decorativo da obra. Por essa preocupação é que o movimento acaba tendo muitos trabalhos na área do design de interiores e objetos, por isso é um dos principais precursores do design moderno.

BIOGRAFIA VICTOR HORTA

Arquiteto belga, Victor Horta nasceu em 1861, em Gent, e morreu em 1947, em Bruxelas, Bélgica.
Estudou desenho, têxteis e arquitetura na Academia de Belas-Artes de Gent. Trabalhou em Paris e, de regresso à Bélgica, trabalhou com o arquiteto neoclássico Alphonse Balat.
Por volta de 1890 começou a trabalhar por conta própria desenvolvendo uma arquitetura que rejeita os estilos históricos muito em voga na época. Em 1893 projeta a Casa Tassel, em Bruxelas, na Bélgica, considerada o primeiro edifício construído no estilo Arte Nova. O seu trabalho inclui várias obras-primas deste estilo tais como a Casa do Povo (1898), a Casa Horta (1898) ou o Hotel Solvay (1900), todas em Bruxelas. Fortemente decorativista, utiliza em abundância o ferro e o vidro inspirando-se em elementos vegetais. Não escondendo nunca os elementos estruturais, antes os aproveita como parte da decoração.
A partir de 1897 leciona na Universidade de Bruxelas e, entre 1912 e 1931, foi professor na Academia de Belas-Artes de Bruxelas.
Liderou a arquitetura Arte Nova na Bélgica até esta perder a aceitação do público, tendo então desenvolvido alguns projetos em estilo neoclássico entre os quais a estação central de Bruxelas.
A casa que construiu para si próprio, em 1898, foi transformada num museu dedicado à Arte Nova.

Prêmio
1884 : Prêmio Godecharle.
Títulos de nobreza
Em 1932, o Rei Alberto I conferiu o título de nobreza de "Barão Victor Horta.

Casa Tassel

A Casa Tassel, situada à Rua Paul-Émile Janson, 6, foi construída entre 1892 e 1893, por Victor Horta, em Bruxelas, na Bélgica.

Interior - Escada.
Casa Solvay

1895 - A Casa Solvay é uma mansão, no estilo Art Nouveau, projetada por Victor Horta, na Avenida Louise, em Bruxelas, Bélgica


Interior.
Casa - Museu Horta

Construído entre 1898 e 1901. A casa de Victor Horta ou casa-museu Horta (hoje Museu Horta) é um edifício de Art Nouveau situado na comuna de Saint-Gilles, na Região de Bruxelas-Capital. O edifício é constituído pela casa pessoal do arquiteto como também do estúdio de trabalho dele.



Interior.
BIOGRAFIA ANTONI GAUDÍ

Antoni Gaudí i Cornet nasceu em Reus no dia 25 de junho de 1852 e morreu em Barcelona no dia 10 de junho de 1926. Foi um famoso arquiteto catalão e figura de ponta do Modernismo catalão. As obras de Gaudí revelam um estilo único e individual e estão em sua maioria na cidade de Barcelona.
Grande parte da obra de Gaudí é marcada pelas suas grandes paixões: arquitetura, natureza e religião. Gaudí dedicava atenção aos mais ínfimos detalhes de cada uma das suas obras, incorporando nelas uma série de ofícios que dominava: cerâmica, vitral, ferro forjado e marcenaria. Introduziu novas técnicas no tratamento de materiais, como o trencadís, realizado com base em fragmentos cerâmicos.
Gaudí raramente desenhava projetos detalhados, preferindo a criação de maquetes e modelava os detalhes à medida que os concebia.
O estilo de Gaudí atravessou diversas fases uma primeira fase que se pode identificar na arquitetura chamada de “mourisca” como a mistura especial da arte muçulmana com a cristã é conhecida na Espanha.
Outra fase importante da obra de Gaudí foi aquela que decorreu sob o mecenato de Güell. Este rico habitante de Barcelona era o retrato do industrial bem sucedido. A sua casa estava aberta aos artistas e Gaudí foi também acolhido e aí teve contato com a chamada “Arte Nova”, que viria a usar mais tarde.
Uma outra fase identificável na obra de Gaudí é o que se pode classificar de período “gótico”. Gaudí utilizará os princípios deste estilo, bem como algumas das suas formas mais típicas; no entanto o gótico em Gaudí manifestar-se-á também em inovações ousadas, como são, por exemplo, os seus arcos parabólicos.
Suas principais obras são:

Parque Guell

1900-1914, Barcelona, Espanha.



Casa Batlló

1904-1906, Barcelona, Espanha.


Interior.
Sagrada Família

1883-1926 - Ainda está sendo finalizada.
Barcelona, Espanha.


Interior.
OBRA SELICIONADA - CASA BATLLÓ

Foi construída entre 1904 e 1906, no coração da cidade de Barcelona, é a obra mais emblemática do grande arquiteto Catalão Antoni Gaudí. A imaginação inspiradora de Antoni Gaudí levou à construção de um dos edifícios mais artísticos e poéticos existentes ao redor do mundo, a Casa Batlló. Sua síntese de formas repteis, curvas como ramos de videira, insinuações de ossos e esqueletos, e seu uso de pedaços coloridos de cerâmica e vidro criam uma obra prima surpreendente em todos os seus recantos.
Seu estilo incorpora muito do que define o Art Nouveau (Arte Nova). Gaudí explora espaços, padrões e cores fluidas nesse edifício, projetado para o barão Josep Batlló, como um abrupto contraste às rígidas formas do entorno.
A fachada principal revela fortes texturas, cores e um imaginário que trabalham juntos para criar sonhos de todos os tipos.
A dramática cobertura réptil é revestida de um lado por uma armadura galvanizada enquanto do outro ela é coberta por fragmentos coloridos de súbito brilho.
Como pode sempre ser antecipado nas obras de Gaudí, há uma imagem religiosa recorrente. Nos níveis superiores do edifício, há imagens e textos religiosos encrustados, assim como em pequenos detalhes das fachadas.

O interior do edifício é tão surpreendente e vivo quanto suas formas externas. Os sinuosos e retorcidos elementos internos como portas, janelas, escadas, molduras, nichos são o resultado das formas naturais e orgânicas que inspiram o arquiteto. Como disse Gaudí: «Aqueles que buscam as leis da natureza como suporte para suas obras colaboram com o criador».




Mais imagens:








Encontramos também o vídeo "Love Casa Batlló", que venceu o Grande Prémio no Festival Internacional de Filmes de Turismo de Riga. É uma história que mostra a Casa Batlló, em Barcelona como um ser vivo, com destaque para a grande e ilimitada imaginação de Gaudí. Vale a pena assistir!!


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

·         http://pt.wikipedia.org/wiki/Victor_Horta
·         Livro: Gaudi obra arquitetonica completa, Rainer Zerbst, Editora Taschen.

Trabalho feito por: Alice Simone Frainer, Heloise Laurindo Travain, Levy Rocha.

Não é demais? Dá vontade de fazer as malas e ir ao encontro dessas grandes obras arquitetônicas. Existem tantas informações, imagens sobre elas que com certeza vocês logo vão encontrar posts por aqui falando mais sobre cada uma aqui mostrada. 
Não esqueçam de compartilhar com seus amigos!!

Bisous,

3 comentários:

  1. Que maravilhoso este post, cheio de informação e imagens lindas e deslumbrantes, o vídeo parece um filme, e o modelo de arte desta época é encantador.

    ResponderExcluir
  2. Respostas
    1. Oi André! Que bom que gostou! Obrigada pela visita!!

      Excluir

Coloque aqui sua dúvida, sugestão, opinião... obrigada por acessar o blog.

DESCOBRINDO AS CORES | GUIA DE CORES | EP 1

Olá pessoal!!! Hoje dou início a nossa primeira série de vídeos lá no canal!, o GUIA DE CORES!! Serão 5 vídeos, toda segunda-feira d...